Se greve na Petrobras afetar produção, combustível pode acabar em 10 dias

Caso a greve dos petroleiros, que completa 18 dias nesta terça-feira, venha a afetar o refino e a entrega de derivados, as distribuidoras têm estoque médio de oito a dez dias de combustíveis líquidos como gasolina, diesel e álcool, e outros três dias de GLP, o gás de cozinha.

A informação é do diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Felipe  Kury, segundo o qual o abastecimento até o momento está totalmente normal.

– A gente acompanha, diariamente, através do escritório  de crise da Petrobras, e a posição é que o processo está sob controle com as equipes de contingência e negociação com os líderes do movimento. Até porque, se a Petrobras precisar de algum auxílio para garantir o abastecimento, a agência está disponível para atuar.

De acordo com Kury, até o momento, as equipes contingência estão suprindo  e têm os estoques estratégicos que estão no âmbito da distribuição.

– Se o movimento e a Petrobras entrarem em um acordo, espero em breve, não deve haver nenhum tipo de impacto no abastecimento – ressaltou o diretor.

O executivo explicou que, legalmente, tanto a Petrobras como as distribuidoras são obrigadas a terem um determinado estoque de combustíveis, que no caso das distribuidoras varia entre oito a dez dias, e de três  a quatro dias para o GLP. Mas esses prazos, segundo o diretor, variam muito pois dependem da logística de cada região.

O diretor lembrou que existe ainda a alternativa de aumentar as importações de combustíveis se for necessário.

– Existe o desafio da produção nacional, mas há alternativas de importação em um caso extremo. O mercado funciona com oportunidades, se existe essa oportunidade, se houver falta de produto, pode haver cobertura desse gap com a importação – ressaltou o diretor.

Agência Brasil

You may also like

Deixe o seu comentário