Mato-grossenses cancelam viagem à Europa por pandemia de coronavírus; saiba regras de suspensão

Mato-grossenses estão cancelando viagens à Europa por conta da pandemia de coronavírus, que já causou suspensão de eventos, aulas e de voos. Um dos países mais afetados é a Itália com 10.149 casos e 631 mortes. Consumidores devem estar atentos aos seus direitos em casos de cancelamento de viagens e pacotes turísticos para destinos com casos confirmados do COVID-19. Falta de informações contratuais, cobranças indevidas de taxas e multas e recusa na devolução de pagamentos são alguns dos problemas que podem surgir por conta do surto.

A reportagem apurou com agências de viagens que os clientes estão mudando seus destinos, que antes eram internacionais, para cidades brasileiras. Outros preferiram aguardar a pandemia passar, para que possam, no futuro, aproveitar suas viagens para o exterior.

Para alertar os cidadãos, a Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), elencou as principais medidas que devem ser adotas nestas situações.

De acordo com o presidente da Comissão, Carlos Rafael Gomes de Carvalho, os clientes devem ser orientados a evitar destinos com confirmação oficial da doença. “Contudo, se necessário o deslocamento, é preciso que pesquisem sobre as condições sanitárias e de saúde do local junto às autoridades públicas e fontes oficiais, antes da contratação dos serviços”, diz.

Sendo assim, ao firmar o acordo o cliente deve receber todas as informações previamente, de maneira clara, adequada e de fácil compreensão, inclusive sobre as possibilidades de cancelamento ou alterações. Uma cópia integral do contrato tem que ser entregue, contendo descrição dos serviços e produtos aos quais ele tenha direito, ou pormenorizando aqueles que seriam agregados e/ou pagos à parte.

“A falta de informação pode ser entendida como desrespeito aos direitos básicos do consumidor e ao dever de aconselhamento e de mútua assistência, decorrentes da boa-fé na relação de consumo, podendo fundamentar pedido de cancelamento, sem cobrança de multa ou taxa abusiva”, explica o presidente.

Quando a viagem já tiver sido adquirida e for possível o seu adiamento, o usuário poderá solicitar a alteração ao fornecedor sem o pagamento de multas ou taxas de remarcação. O pedido decorre do justo e fundado motivo de saúde pública e é admitida a cobrança da diferença do valor de tarifa, salvo casos de abuso do poder econômico, aqueles nos quais é forçada fidelização obrigatória ou imposta.

Já nos casos em que a viagem já tiver sido adquirida, e não for possível o adiamento, é possível solicitar a devolução integral do valor pago, em decorrência do justo e fundado motivo de risco à vida, saúde e segurança própria e dos seus. Neste contexto, o uso da política de relacionamento, para fins de cancelamento ou remarcação, não pode vir acompanhado de cláusula de fidelização ou que gere maior ônus nem obrigação diversa.

Pedidos de remarcação ou de cancelamento que não forem atendidos pelas empresas inseridas na cadeia de consumo, poderão ser levados a juízo ou ao Procon, para análise do caso concreto.

“É necessário que exista o comprometimento no equilíbrio da relação de consumo, relacionado ao fato gerador, como nos casos em que torne a viagem comprovadamente inviável de acontecer, na sua plenitude. Recomendo aos consumidores que compareçam ao PROCON sempre que tiverem dúvidas, tanto antes quanto depois de contratar qualquer serviço”, finaliza Carlos Rafael.

A Organização Mundial da Saúde classificou a disseminação como uma pandemia. “A descrição da situação como uma pandemia não altera a avaliação da ameaça representada pelo novo coronavírus. Não muda o que a OMS está fazendo, nem o que os países devem fazer”, explicou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom.

Para justificar a classificação, o diretor-geral explicou que, nas últimas duas semanas, o número de casos da Covid-19 fora da China aumentou 13 vezes e o número de países afetados triplicou. A previsão é de mais crescimento nos próximos dias.

Mato Grosso 

A Secretaria de Saúde  investiga uma suspeita de coronavírus em Lucas do Rio Verde. Este é o único caso em Mato Grosso. Os demais foram descartados. O paciente procurou uma unidade de saúde com queixas de febre, tosse e dor de cabeça e relatou que esteve em viagem à Europa final do mês passado.

Na avaliação, o paciente apresentou bom estado, sem sinais de desconforto respiratório. Também foram solicitados exames de radiografia e hemograma, aguardando o resultado do exame específico que já foi coletado e enviado para o laboratório credenciado em Cuiabá.

O paciente foi orientado a manter isolamento em domicílio (mora sozinho) por 18 dias, deixar a casa arejada e fazer uso de máscara cirúrgica e álcool em gel para limpeza das mãos. A equipe da unidade fará visita diária ao paciente para avaliar seu estado de saúde.

“Mato Grosso já teve 12 suspeitas e 11 delas foram descartadas, o único monitorado ainda é o paciente de Lucas do Rio Verde, que aguarda o resultado do exame que foi encaminhado para Cuiabá. A equipe de saúde está acompanhando de perto e fez todo o protocolo exigido pelo Ministério da Saúde para prevenir a contaminação de outras pessoas, mesmo que o resultado ainda não tenha saído, o paciente está sendo monitorado e recebeu todas as orientações e tratamento”, destacou o secretário municipal de Saúde, tenente Rafael Bespalez.

Olhar Direto

You may also like

Deixe o seu comentário